HOME                    À CONVERSA COM                  O LIVRO                  AO QUILÓMETRO TAL                 ARQUIVO                 

.A anita a "Voar Alto Com os Pés no Chão".


 

Conheci a primeira edição pelos amigos e fotografei a sua "primeira comunhão". Fui freelancer, autora geradora e embaixadora de instagram para "ela" ao longo das três edições seguintes. Na quinta edição entrei para a equipa com uma nova crónica e muitas ideias no bolso. Refiro-me claro à revista GeradorFazer parte desta equipa é assumir fazer parte de uma família, e com ela vem toda a responsabilidade de acarinhar, de cuidar e de estimar. Neste caso sinto toda esta responsabilidade como algo que me é já inerente por estas pessoas, por este projeto e por tudo o que o envolve. É o chamado respeito ao mais alto nível.



Hoje saiu nas bancas a edição número seis, em 3D pelos designers Falcão Lucas, com a minha  participação ativa numa crónica musical onde estimei o grande mestre Sérgio Godinho, numa reportagem onde acarinhei o novo espaço Rua das Gaivotas 6 e onde cuidei da foto-reportagem do Trampolim Gerador 2# "Voar Alto Com os Pés no Chão" para a revista. Durante este evento esteve patente a nossa Gerador de Parede sobre o Príncipe Real - se a perderam deixo-vos aqui em regalo. 

E não se esqueçam de garantir a vossa #revistagerador online ou em locais como a FNAC ou a VIDA PORTUGUESA.



Venho aqui aos sábados e aos domingos.” - foi a frase que mais ouvi naquele dia. Ao fundo do jardim onde há sombra, mesas e cadeiras ouve-se o som do dominó a bater na madeira e observa-se o silêncio da discrição dos que jogam às cartas que quebra só no final de cada jogada. A ala masculina define-se claramente ao lado direito, e as senhoras, mais recatadas, encontraram o seu lugar no lado contrário do jardim.

A D. Celeste e a D. Alcina são amigas desde que se mudaram para o Príncipe Real, um infortúnio inerente a uma vida longa levou à bênção de se encontrarem uma à outra. Um baralho de cartas é a desculpa ideal para conviverem  e agora encontram-se todos os fins-de-semana para jogar à sueca, o preferido de ambas. E apoiam-se uma à outra com a sabedoria que a idade já permite. Ainda que ao inicio envergonhadas a D. Alcina confidencia-me que decidiram escolher aquele cantinho, por um percalço com pombos! Aqueles que a D. Celeste alimenta sempre que pode: “Dá-me pena, porque eles parece que andam sempre com fome, e olhe devem ter muita boa vista que não sei como veem comida em todo o lado. Eu olho e não vejo nada!”. Observo-lhe a bonita e hipnotizante trança cinzenta e o olhar carinhoso da D. Alcina enquanto me contam pequenas peripécias do dia-a-dia do jardim.



Foi preciso conquistar quem encontrei na mesa do dominó. Entre a concentração estratégica do jogo e falarem com uma jovem desconhecida que quer ouvir histórias, venceu o jogo, ainda que por poucos pontos. As histórias ali ouvem-se em meias palavras, em bitaites e piadas que só eles percebem - empurram uns para os outros a responsabilidade do conto. Listam-me e ensinam-me todas as variantes do dominó: o belga, o chinês, o viradinho... E embebidos pela animação do jogo declamam a cantar em coro um poema de Afonso Lopes Vieira “Os passarinhos tão engraçados fazem os ninhos com mil cuidados”. Entre jogadas, soltam-se larachas “Joga lá meu periquito assanhado!”, mas também se contam verdades. O Sr. Sérgio Ramos - patriarca, artista de bairro (contam eles), vive no Príncipe Real desde os 6 anos (conta-me ele), escreve poesia, desenha e faz brinquedos (contam eles). 










O Sr. José Reis foi durante muitos anos o que eles chamam ”homem da noite” nos bares do bairro alto e especialista em lustres é quem me fala como é e era o Príncipe Real à noite. 
Afinal, apesar de tanta relutância, ouvi histórias dos que fugiam à polícia, contos de uma vida de artista guardada na gaveta, aventuras de quem trabalhava ali nos bares da redondeza e vim embora com novas amizades e 3 folhinhas com poesia escrita à mão que valem ouro. As pessoas são realmente quem faz o bairro.


fotos: Ana Morais (topo Gerador de parede e todas no blog) e Herberto Smith (fundo Gerador de parede)
editorial: Pedro Saavedra
textos: Ana Morais, Ana Pracaschandra, Joana Rita Sousa, Miguel Ponte.

***

Sem comentários:

Enviar um comentário