HOME                    À CONVERSA COM                  O LIVRO                  AO QUILÓMETRO TAL                 ARQUIVO                 

Aquele dia!


Portugal, Nazaré 28 de Junho 2014



E naquele dia, mesmo cheia de dúvidas, decidi ir. Meti-me no carro de um desconhecido e fui. Com tantos eventos em Lisboa para fotografar tinha de estabelecer prioridades, e mesmo não sabendo o que mudou as minhas, ainda bem que decidi ir.

Paramos nas Caldas da Rainha e a dois que já vinham de Lisboa juntaram-se mais dois, e todos tão diferentes fomos cheios das mesmas dúvidas e curiosidade até a Nazaré.



Ao chegar juntamo-nos, meios a vergonha, a alguns que já lá estavam - um encontro do Instagram Portugal. Podem achar estas “coisas” ridículas (uns por não entenderem, outros por não quererem realmente saber ou até devido uma ligeira inveja por desconhecerem o assunto) e sinceramente antes daquele dia nem eu pensava que viria a sentir esta plataforma desta forma, mas o que se passou ali foi, para mim, elucidador  e um exemplo prático do quanto as nossas escolhas podem mudar a perspectiva que temos sobre as coisas na nossa vida.

Aconteceu há duas semanas atrás. Pensei que com o tempo o impacto se dissiparia naturalmente, mas ainda prevalece e a necessidade de escrever sobre isto tornou-se mais forte que eu.

Quem me conhece bem, sabe  que para me manter à vontade em eventos e em tudo o que me envolvo e faço tenho de me abstrair de uma timidez que me é inerente e que ao longo dos anos aprendi a gerir como se fosse inexistente, daí não ser perceptível aos mais incautos. E ao sentir aquele primeiro constrangimento de timidez, entrei em modo "não vou pensar mais nisso" e tudo o que se passou a seguir foi do mais honesto que eu poderia imaginar.

Não éramos um grupo grande, mas fomos um grande grupo! Todos mencionaram outras pessoas que gostavam que lá estivessem, pessoas que queríamos conhecer ou as que já se conheciam e que simplesmente gostávamos que estivessem presentes. Eu não conhecia mesmo ninguém - das pessoas que me lembrei, mencionei-as pelas impressões que me deixaram através das fotos deles e dos comentários partilhados que normalmente são sempre divertidos e carinhosos; tal como não conhecia pessoalmente nenhuma daquelas pessoas, mas tudo me pareceu tão natural que não tardou a estarmos todos a servir de "modelos" para concretizar as ideias uns dos outros.
algumas das fotos que tirei (iphone only)

Do Porto, Lisboa, Leiria, Caldas da Rainha e afins, foi quem teve disponibilidade e oportunidade, e com a mesma disponibilidade passamos aquele dia na companhia uns dos outros. Não voltei a sentir qualquer constrangimento: pedi que colaborassem nas minhas ideias, participei de bom grado nas dos outros, e não me contive em gargalhadas, piadas e conversas. A sensação de naturalidade e de "à vontade" que se instalou em mim foi tão inacreditável, que só tomei real consciência disso quando me pegaram no braço para terem a minha atenção e disseram: "Sabes? Gostei mesmo muito de te conhecer Anita!". (o tempo parou ali uns segundos)

Só então tomei consciência: eu estava tão honestamente feliz, estava a usufruir de tudo com tanta sinceridade que nem sequer parei para me preocupar com o que estariam a pensar de mim. Quando a Rita me diz isto, toda a minha timidez veio ao de cima e a reação foi um abraço. Mesmo reticente, não me importei de ser um pouco lamechas ou de demonstrar carinho, porque na verdade parecia que já conhecia estas pessoas, que, e apesar do meu lema “faz por merecer, farei valer a pena”, a única coisa que precisaram de fazer para merecer o melhor de mim foi existirem e serem aquelas pessoas constantes, divertidas e “boa onda”, coerentes com as fotografias que tiram (que era a única coisa que eu conhecia antes).

Foi apenas aí que me dei conta do quanto tanto estava ali a acontecer, tanta energia boa, tanta afinidade e partilha recíproca. Tanta coisa boa numa só tarde, que tentamos prolongar o máximo que conseguimos.

Quando caiu a noite, com pouca vontade disso, despedimo-nos todos com um abraço apertado, já com alguma saudade daquelas horas de passeio, das ideias fotografadas, conversas e risadas… eu continuo com saudades, porque o instagram pode ser somente uma aplicação para alguns, mas para mim passou a ser “pessoas”, um conjunto de pessoas fantásticas que dedicam um pouco de si a criar uma galeria cheia do seu melhor, e ainda se apoiam, interagem e criam afinidade com os outros instintivamente através da alma que poem nas fotografias que tiram. 

Aos que estão nesta fotografia e tantos outros que aqui faltam: 
simplesmente OBRIGADA

foto por Miguel Amorim (@jmiguel) | da esquerda para a direita: @francisco_oli | @sejkko | @andrebento | @gmateus | @ritacordeiro | @isabnun | @f_st0ps | @sergnun | @dinvent_ | @rutelopes | @catdinis_ | @boozina | @anitados7oficios | @pedrosamcastro | @nunolopeslourenço | @kitato | @wandson

Estivemos a reviver este dia através de fotos durante uma semana que podem encontrar no hashtag #allinnazaré 




2 comentários:

  1. Maravilhoso !! Deve ter sido um dia memorável, cheio de felicidade e de fantásticos "shots" !!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi mesmo! :) Aconselho vivamente! Obrigada pelas tuas palavras Miguel.
      Beijinhos

      Eliminar