HOME                    À CONVERSA COM                  O LIVRO                  AO QUILÓMETRO TAL                 ARQUIVO                 

nada do que digas...


fotografia e edição por Ana Morais (eu)

E quando fechamos a porta com toda a força, às vezes, torna-se demasiado complicado voltar a abrir. Perdemos o tanto da força a fechá-la e, com ela, a coragem de a renovar para voltar a tentar. Perdemos a oportunidade e viramos as costas com a triste certeza de já não nos conseguirmos expressar da melhor forma.

Fica a incerteza e o peso no coração daquela porta fechada que afinal descobrimos: vai custar mais do que pensávamos a voltar nem que seja a entreabrir.
A boca não diz as coisas certas. Já não ouvimos o coração. Cortamos a comunicação entre os sentidos e os sentimentos de tal forma que parece irrevogável. O esforço de retomar já não parece possível e preferimos o “perder”, ao “voltar a tentar”. Até a pessoa mais feliz e realizada carrega tristeza guardada nos recônditos do ser que, de vez em quando, a assolam e assombram. Guarda-se mais esta tristeza "de bolso" e acumulam-se falhas na esperança de um dia, de alguma forma, se tornarem qualidades.
Ainda assim o problema também poderá residir em quem do outro lado da porta surge. Dá trabalho ajudar a abrir uma porta há tanto fechada e a falta de motivação sempre levou ao desdém. Neste erróneo sentido das relações, o problema nunca está só de um lado da porta.  E normalmente portas, que do seu estado fechado são teimosas, precisam de um acrescido esforço que hoje em dia é simplesmente demasiado para a maioria, porque tudo é de tão fácil acesso, que parece que mais vale o qualquer coisa.
Li algures recentemente "Faz por merecer, farei por valer a pena!", e esta é, sem dúvida, a personificação da minha postura em qualquer relação, especialmente nesta altura da minha vida, pois nada do que digas valerá mais do que o que faças!






4 comentários:

  1. ...e assim se vai fazendo uma coleccionadora de palavras com sentimento, juntando cuidadosamente as que já tem e procurando pacientemente as que lhe faltam... aquelas que só se encontram com muito suor e lágrimas e muitos sorrisos para um espelho que lhe diz: vale a pena viver!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Pedro. De coração :)
      Umas das mais bonitas e lisonjeadores descrições que já me fizeram ^_^

      Eliminar
  2. Gostava de conseguir comentar as tuas palavras leves mas cheias de sentimento, mas como sabes não ando nos meus melhores dias. Acho que abriu a época para algumas de nós. No entanto, não posso deixar de dizer que quando leio as tuas palavras eu esqueço-me da Ana, da mulher dos cabelos cor-de-fogo e vejo simplesmente uma mulher que absorve tudo o que vem ao seu encontro. Desde as vivências grandiosas aos momentos mais subtis (não, não vou mencionar os outros, desses sabemos que há sempre e nem sempre são bem-vindos), há sempre um tom característico teu que põe uma espécie de fragrância de rosas, daquelas que quanto mais cheiramos mais queremos sentir e aprisionar esse aroma que nos faz levantar os pés do chão.
    ;)

    ResponderEliminar