HOME                    À CONVERSA COM                  O LIVRO                  AO QUILÓMETRO TAL                 ARQUIVO                 

Pequenas Coisinhas em Caixinhas



Todos nós temos caixinhas algures, onde guardamos pequenas coisas. Uma recordação. Aquele papelinho que ele nos mandou durante uma aula. Um postal de um amigo querido. Um bilhete de concerto. Um pacote de açúcar com uma frase que nos tocou. Uma carta de juras de amor. Fotografias. Uma flor. Um pedaço de tecido bonito. Verdades e às vezes até o que se transformou em mentiras. Guardamos tudo em caixinhas. Fisicamente, ou nos recônditos do nosso sótão cerebral. Conscientemente ou não, foi o que guardamos nessas caixinhas que nos formou e das quais muitas vezes nos esquecemos ou optamos simplesmente ignorar.
Uma recordação é a revisão da nossa memória. E nunca é demais demarcar o quão seletiva esta pode ser. Na maioria das vezes quando se seleciona demasiado, ela esmera-se e chega a prejudicar-nos. E nós sabemos disso. Por isso eu opto por guardar várias pequenas coisinhas em caixinhas. E mesmo que em contexto “não físico” a bagagem seja muita, estas pequenas caixas físicas contêm tão simplesmente o necessário à sua função. Os cadernos que escrevi, os bilhetes de avião, de concertos, os origamis que alguém se deu ao trabalho de aprender a fazer para me oferecer, um postal que recebi do outro lado do mundo, os passes de press, as recordações dos países que visitei, um papel rabiscado por uma amiga que está longe, um desenho da minha sobrinha, várias caligrafias diferentes desenhadas por tanta gente que faz/fez parte da minha vida e nem sabe que ainda guardo isto. Guardo nestas caixas o que não me lembro de recordar vezes suficientes durante o meu dia-a-dia.
Costumo dizer que os outros acreditam mais em mim do que eu própria. Cada vez que com um gesto singelo abro estas caixinhas recordo o quanto eu já acreditei nos outros também, o quanto quero bem a tanta gente, que não guardo ressentimento nem sequer das mentiras e recordo as verdades com tanto carinho. Porque eu opto em não ignorar, em querer tomar consciência que também eu tenho uma História de Vida e que por mais que o futuro tenha ainda muito para me dar, o passado também já muito me deu e eu não me quero esquecer.

[002/365]



1 comentário:

  1. Tenho essas caixinhas também e cheias de 'coisas' que são mais que isso =) O passado é um presente que nos faz viver o futuro! =)

    ResponderEliminar