HOME                    À CONVERSA COM                  O LIVRO                  AO QUILÓMETRO TAL                 ARQUIVO                 

O cantinho ideal!

Desde que vim morar para Lisboa, nunca me preocupei realmente em procurar casa. Nunca senti aquela necessidade de morada fixa, bastava-me um quarto, um cantinho para "me arrumar".
Em 3 anos que aqui moro, já mudei de casa umas quatro vezes, mas sempre através de conhecimentos e familiares, nunca tive de procurar. Neste último permaneço há já mais de um ano e não sinto uma necessidade extrema de lá sair. Tudo já me é familiar e acabei por encontrar ali um aconchego, que a 500km de casa agradece-se. No entanto também nunca fui mulher de me resignar e se o aconchego sabe bem, o espaço é coisa que eu sempre apreciei e dei por mim a começar  à procura de casa afincadamente.
A dificuldade de procurar casa em Lisboa, com preços acessíveis e com condições normais de habitação, sem termos de ser remetidos para um sítio onde ficaremos para sempre "isolados" ou que seja portador de um trauma de morada só de o mencionar, é de facto um desafio. Na minha incessante procura, dou-me conta de um T1 razoável, a um preço aceitável e negociável. Achei interessante e quis saber mais... No meio de outras informações fiquei também a saber que este T1 se situa na Rua do Rego em Entre(bordas)Campos! Pois. Tudo bem que se situa em Lisboa, mas convenhamos que morar na Rua do Rego nunca foi o melhor pretexto para mudar de casa, nem a melhor morada para dar aos amigos para o jantar de inauguração. Acho que os portugueses têm este problema generalizado...é uma questão de injustiça do código postal! Sim, porque quando nos perguntam onde moramos as pessoas não querem saber dos metros quadrados, nem da planta da casa. Só querem saber o nome da rua ou localidade em questão, e nalguns casos a resposta prevalece em mentira ou em referências por concelho ou distrito vizinho. "Tás a ver Sintra? É nos arredores!" Nunca tive problemas com isso mas realmente, numa conversa de acaso, dizer a pessoas que nos são completamente estranhas, que (por exemplo) nasceu em Ranholas, ou vem de Venda das Raparigas ou que mora na Rua do Rego, mata qualquer conversa!

Sem comentários:

Enviar um comentário